A Adega Central


Localizada em Puente Alto, esta adega foi projetada pelo arquiteto chileno Martín Hurtado. Construída em 1998 e inaugurada no ano 2000, esta adega é reconhecida pela integração perfeita da estética de seu design com sua funcionalidade.

Para sua construção, madeiras nativas do sul do Chile foram utilizadas, integrando a típica paisagem chilena do Vale Central. Sua decoração interior foi inspirada nos povos nativos do Chile através do uso dos símbolos e artefatos representativos da cultura mapuche.

Colheita


Os cachos das uvas são colhidos em pequenas caixas de 10 kilos, que são transportados até o mezzanino, no segundo nível, onde são selecionados manualmente.

Uma vez separadas dos cachos e ligeiramente abertas para liberar o suco, as uvas são levadas pelo simples efeito da gravidade até a área de recepção nos tanques de vinificação que se encontram no primeiro nível.

Vinificação


Composta de duas salas com duas tanques de aço inoxidável e adaptados ao tamanho de cada quartel da vinícola, a seção de vinificação é onde a maceração e a fermentação alcoólica acontecem.

Primeiro, o mosto é resfriado, deixando o suco em contato com as cascas a fim de extrair seu delicioso aroma e cor. Logo, a temperatura aumenta em cada uma das cubas, para permitir o desenvolvimento da fermentação alcoólica e da maceração final.
A fermentação maloláctica acontece espontaneamente antes ou depois que o vinho seja transferido pela gravidade dos tanques de aço inoxidável para os barris de carvalho francês.

As folhas e as sementes são trasladadas às prensas verticais, de onde se obtém um vinho chamado de prensa. Este vinho é adicionado em pequenas proporções pelo enólogo à mistura final do Almaviva.

Grand Chai


O projeto arquitetônico impressionante de Gran Chai cria uma perspectiva forçada e uma sensação de profundidade, uma vez que a vista se estende em direção às vinícolas, o lugar de nascimento dos vinhos criados neste lugar.

Após a maceração nas cubas, o vinho é transferido para os novos barris de carvalho francês. Para tampá-los, utiliza-se o tradicional tampão de vidro, que facilita a operação de refil dos barris.

O vinho no barril é mantido no Grand Chai por aproximadamente 10 meses, antes de ser trasladado para a sala de barris de segundo ano.

Depois de 6 a 8 meses de guarda nesta segunda sala, o vinho é filtrado com clara de ovo, e então devolvido às cubas de aço inoxidável, para posteriormente ser engarrafado.

Sala de Engarrafamento


As garrafas são submetidas a uma lavagem estritamente controlada antes de serem enchidas e seladas com cortiça natural de primeira seleção.

O vinho é guardado nas garrafas por vários meses antes de ser enviados aos Negociants de Bordeaux, de onde é distribuído